Ensino

facebooktwitter_2youtube

Home Notícias Iguais nas diferenças
Iguais nas diferenças

Com atividades variadas, Campus realiza sua I Semana de reflexão sobre o aluno com deficiência

Em comemoração ao Dia Nacional da Luta de Pessoas com Deficiência e com o lema “somos todos iguais nas diferenças”, o Instituto Federal do Sul de Minas (IFSULDEMINAS) – Campus Poços de Caldas realizou, de 19 a 23 de setembro de 2016, a I Semana de reflexão sobre o aluno com deficiência. Durante toda a Semana, foram promovidas diversas atividades, como apresentações culturais, palestras, jogos, oficinas e minicursos. As atrações foram gratuitas e abertas à participação de toda a comunidade, além dos alunos e servidores do IF.

Palestra e música

IMG_6735Na segunda-feira, dia 19, abrindo a programação da Semana, a intérprete de Língua Brasileira de Sinais do Campus Poços de Caldas, Lucinéia Oliveira, interpretou em Libras a música “Bossa”, de Tiago Iorc. Em seguida, os participantes da Semana assistiram à palestra “Inclusão e Diferença: possibilidades de (re)inventar a inclusão para os aprendizes do século XXI”, com a professora da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL), Sílvia Orrú (assista à palestra). “Ações como a do Instituto Federal deveriam ser realizadas sempre por todas as instituições da sociedade. A inclusão é algo vigente tanto na nossa legislação quanto na nossa realidade. Precisamos abrir espaços cada vez maiores para essas discussões”, destacou Sílvia. Para Lucinéia, “são sempre muito positivos momentos como este de levar o outro a parar e refletir sobre o aluno com deficiência, fazendo com que percebam que, mesmo nas suas limitações físicas ou cognitivas, são tão capazes como qualquer outro”. “Somos todos diferentes e isso é extremamente lindo; é isso que faz de nós todos especiais e únicos, não uma patologia. Tenho certeza que todos os estudantes, servidores e comunidade que participaram desta semana foram impactados e terão um olhar diferenciado a partir de agora sobre o aluno com deficiência”, mencionou.

Química e Goalball

IMG_6807Na terça-feira, 20, os participantes da Semana puderam se entreter com jogos didáticos em química, atividade coordenada pela professora do Campus, Elenice Carlos, e prestigiar uma partida de Goalball com a equipe da Associação de Assistência aos Deficientes Visuais de Poços de Caldas (AADV-PC). Os jogos de dominó, baralho e uno produzidos pela professora Elenice foram adaptados para deficientes visuais e envolveram conteúdos de química orgânica vistos em sala de aula pelos estudantes do Campus e pelos alunos participantes do projeto de tutoria em química da professora na AADV e no Centro Municipal de Atendimento Educacional Especializado Helen Keller. A professora Elenice explica que os jogos foram feitos com materiais simples e baratos, tais como EVA e tinta alto-relevo. Para participarem dos jogos, os alunos do Campus utilizaram vendas. A estudante de   Ciências Biológicas, Laura Oliveira, se surpreendeu com a habilidade dos assistidos e alunos da AADV e do Centro Helen Keller com os jogos em Química: “entender função orgânica de química já é difícil e, mesmo eles não enxergando as estruturas, eles jogaram direitinho. Eu como futura professora acho que a deficiência não atrapalha na aprendizagem. Se houver uma disponibilidade de ensinar, eles vão aprender muito bem. Existe mais dificuldade do professor saber ensinar do que um aluno deficiente aprender”. Vitória Laudares, aluna do 3º ano do curso Técnico em Informática, gostou muito da experiência: “eles são realmente como qualquer outro adolescente; não têm diferença nenhuma. É muito legal perceber isso, acho que devíamos voltar a atenção a eles e procurar saber cada vez mais”. “Ver a satisfação dos nossos alunos e dos da AADV e Helen Keller foi muito bom. No caso dos deficientes visuais, a limitação é só visual. Eles são capazes de aprender como qualquer outro”, afirmou a professora Elenice.Antes da partida de Goalball com a equipe da AADV, o público assistiu no auditório às explicações do professor de Educação Física, Eraldo Sandi, sobre a modalidade. Eraldo é o idealizador do projeto “Superar Limites”, que há 10 anos oferta gratuitamente aulas gratuitas de modalidades esportivas paralímpicas para deficientes físicos e visuais de Poços de Caldas e região, entre eles, os assistidos da AADV. Eraldo salientou que, no Goalball, o silêncio da plateia é fundamental, para que os jogadores escutem os guizos da bola. Na opinião do professor, “todas as ações que promovam a interação entre os deficientes são bem-vindas”: “as pessoas com deficiências precisam dessas ações para mostrarem à população que elas podem mais, que elas podem praticar um esporte, aprender matemática, português... É importante essa inclusão na sociedade, para que ela perceba que os deficientes podem estar no meio dela e fazer as mesmas coisas”. O jogo de Goalball lotou o ginásio poliesportivo do Campus Poços de Caldas. Além dos discentes e servidores do Campus, o evento foi prestigiado por cerca de 120 alunos do 4º e 5º anos do Ensino Fundamental da Escola Municipal Vitalina Rossi. Durante a partida, alguns estudantes do IF e da Vitalina Rossi foram vendados e convidados a jogarem com os assistidos da AADV.O Cauãn Pereira, aluno do 5º ano da Vitalina Rossi, gostou do que viu: “achei legal. Nunca tinha visto uma partida de Goalball. É uma maneira deles participarem dos esportes. Todos têm o direito de praticar o esporte. Acho que eles conseguem aprender tudo”.IMG_6873 A professora do Cauãn, a Ana Flávia Navarro, agradeceu a oportunidade de poder trazer os alunos da Vitalina Rossi para participarem da Semana de reflexão no IF: “com isso, a gente mostra aos nossos alunos a diferença e como o deficiente pode fazer qualquer coisa. A escola tem que encarar o aluno deficiente com bastante esforço para que todos percebam que somos iguais. Essa ideia do IF vai trazer muitos aprendizados”.Maria Izabel Reis, psicóloga da ADV, elogiou a iniciativa do Instituto Federal de promover uma semana de reflexão sobre o aluno com deficiência: “eu como psicóloga acredito que toda forma de comunicação, diálogo e interação é bem-vinda, porque você está tendo a oportunidade de conhecer mais o espaço, as pessoas... Isso é o social, é você estar em relação com o outro; isso é rico! As pessoas devem olhar para o deficiente visual como um ser integral, destituído apenas do canal visão, mas que possui outras habilidades”.Quem também gostou de vir para o IF e participar do evento foram os alunos da AADV. Morador de Santa Rita de Caldas, Vitor Manoel de Oliveira (14), por conta da baixa visão, frequenta a AADV em Poços de Caldas desde os sete anos de idade. Para ele, vir ao IF foi uma experiência prazerosa: “foi divertido por ter feito amizades novas e conhecido pessoas diferentes. Já tinha vindo aqui no Instituto uma vez com a AADV, mas ainda não tinha conhecido tudo e agora explorei mais o lugar e achei muito legal. Eu enxergo de um olho só e, em relação aos outros alunos, sou normal”. O morador do Bairro Santa Ângela, Daniel José Dias, é deficiente visual total. Faz cinco anos que ele é assistido pela AADV. Para Daniel,  “é bom e interessante vir aqui no IF, porque a gente conhece outras pessoas e outros ambientes. É muito legal essa interação, nunca tinha jogado esses jogos de química, eu gostei bastante. É importante o pessoal vir prestigiar o nosso jogo de GoalBall, para conhecer esse esporte que é pouco divulgado. Na minha opinião, os deficientes visuais deveriam ser tratados como uma pessoa comum, na realidade, a gente só tem um pouco de dificuldade, mas a maior parte das coisas conseguimos fazer sozinhos, poucas coisas que precisamos de alguém para nos ajudar”.

Projeto Sem Limites

IMG_6995Na quarta-feira, 21 de setembro, a I Semana de reflexão sobre o aluno com deficiência do IFSULDEMINAS – Campus Poços de Caldas contou com uma bela apresentação de dança dos alunos do Grupo Artístico Sem Limites da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Poços de Caldas (APAE). Coordenados pela professora Shirlei Aparecida Pereira, a apresentação intitulada “Amoreko” retratou, de uma forma engraçada e descontraída, a história dos palhaços que se apaixonam pelas bonecas. A apresentação da APAE foi prestigiada por discentes e servidores do IF e por cerca de 40 alunos do 9º ano da Escola Municipal Isaura Vilela Brasileiro, de Botelhos, e por aproximadamente 80 estudantes da Escola Municipal Professor Arino Ferreira Pinto, o CAIC. “Eu acredito que o tema inclusão deve, cada vez mais, ser abordado nas escolas. Isso faz com que todos visualizem que somos iguais”, destacou a professora do CAIC, Nara Alves Ávila. Para a Júlia Maria Ramos, aluna da professora Nara, no 5º ano do Ensino Fundamental, a apresentação dos alunos da APAE foi muito bonita: “mesmo com as limitações, eles foram muito bem. Gostei muito, achei engraçado, a roupa deles estava bonita. Isso serve para mostrar que as pessoas com deficiência são capazes de tudo”. O aluno do 9º ano da Escola Municipal Isaura Vilela Brasileiro, de Botelhos, João Pedro Marcelli, gostou bastante da apresentação: “os alunos com deficiência possuem a mesma capacidade de outros. Todos somos iguais”. O professor de Ciências e Matemática do João, Talles Silva, acredita que esses momentos de reflexão são muito válidos: “eu acredito que seja muito importante essa integração e esse movimento pelos alunos deficientes. A inclusão, hoje em dia, deve ser o foco principal das escolas e instituições e receber a devida importância”. Fundado em 1997, o Grupo Artístico Sem Limites tem como objetivo mostrar as capacidades dos assistidos pela APAE e promover a inclusão através da arte. A professora da APAE, Sílvia Idalina de Assis, ficou muito feliz com a apresentação no IF: “achei maravilhoso, o pessoal nos acolheu com muito carinho. É uma satisfação trazer os nossos alunos para participarem junto com outros. É um momento muito gostoso, muito significativo na vida deles. Os deficientes devem ser vistos, no meio escolar ou em qualquer outro lugar, como pessoas que, mesmo tendo algumas limitações, possuem muito talento e sempre estão nos ensinando coisas novas, possuem muita potencialidade e o convívio com eles é de muito carinho”. Para o José Guilherme Vilas Boas, assistido da APAE, se apresentar para o público do IF foi motivo de grande felicidade: “essa instituição nos recebeu com bastante alegria e poder apresentar essa surpresa para vocês foi muito gratificante”.

Exposição e Dança Adaptada

IMG_7170Na quinta-feira, 22, a 1ª Semana de reflexão sobre o aluno com deficiência do Campus Poços de Caldas foi prestigiada com uma exposição de produtos do Centro de Capacitação para o Mercado de Trabalho da Associação dos Deficientes Físicos de Poços de Caldas (ADEFIP). Chinelos, cachecóis, canecas e tapetes feitos pelos atendidos e pelo grupo de mães da ADEFIP puderam ser admirados e adquiridos pelos participantes do evento. No auditório do Campus, o público pôde se emocionar com uma inesquecível apresentação de dança do Projeto Superação, Arte e Dança Adaptada da ADEFIP. Criado em 2011, o projeto busca, através da arte, da dança e do teatro, ultrapassar as barreiras arquitetônicas e de comunicação em favor da inclusão social e valorizar as potencialidades dos jovens, crianças e adultos assistidos pela Associação, proporcionando melhor qualidade de vida para eles e seus familiares.A coordenadora da ADEFIP, Larissa Junqueira de Carvalho, agradeceu o convite do Instituto Federal: “essa semana é o momento que todos nós do centro de reabilitação, da educação em geral e da sociedade temos para refletir sobre o deficiente estar, de fato, incluído com qualidade em todos os ambientes. Para nós, foi muito importante esse convite, pensando que é um Instituto que busca pesquisa, que está sempre aprimorando em relação ao outro e o deficiente precisa estar nos Institutos, nas Universidades, em todos os locais, para que, de fato, ele possa estar incluído na sociedade. O deficiente pode, sem dúvida nenhuma, conviver de igual para igual com uma pessoa não deficiente, sabendo que cada um tem suas peculiaridades”. Morador de Botelhos, o José Roque da Costa, frequenta a ADEFIP há quatro anos. Ele achou muito legal participar da Semana de Reflexão do IF: “a gente, com essa dança, mostra para o pessoal a nossa deficiência e também a nossa capacidade. A deficiência, de fato, não é empecilho para nada. A sociedade deveria tratar o deficiente como uma pessoa normal. Eu tive paralisia infantil com 10 meses de idade, fui para a ADEFIP e, apesar das minhas limitações, sou uma pessoa comum como qualquer outra”. Atualmente, a Associação dos Deficientes Físicos de Poços de Caldas atende, mensalmente, 3500 deficientes físicos e neurológicos. A Associação está há 30 anos na cidade, contando com cerca de 40 multiprofissionais. Para saber mais, acesse: http://www.adefip.org.br/

Braille e Sorobã

IMG_7210A I Semana de reflexão sobre o aluno com deficiência foi encerrada na sexta-feira, dia 23 de setembro, com dois minicursos ofertados pela Associação de Assistência aos Deficientes Visuais de Poços de Caldas e pelo Centro Municipal de Atendimento Educacional Especializado Helen Keller: “O alfabeto em Braille”, com a professora Rosi-lene Marcondes, e “O uso de sorobã para o ensino de Matemática aos deficientes visuais”, com a professora Renata Rezende.Deficiente visual desde o nascimento, a professora Rosi-lene aprovou o evento do IF: “gostei muito da participação do público, pois é sempre muito bom divulgar o Braille. Agradeço muito o convite, fiquei muito feliz de ter participado. A capacidade de um aluno com deficiência visual de aprender é diferente de um aluno que não possui tal deficiência, às vezes, eles têm um pouco de restrição em sair de casa para ir aprender, porque eles ficam com medo do que podem encontrar pelo caminho; eles têm medo de barreiras. Então, eu sempre falo que, se tiver uma pedra, veja o tamanho dela, passe por cima, não deixe que essa pedra engula você, vá em frente, erga a cabeça e vá à luta para ser reconhecido lá na frente”.O professor do Campus Poços de Caldas, Rodrigo Ortolan, participou dos minicursos. Empolgado, disse que o evento foi uma oportunidade para todos que trabalham com educação poderem aprender novas técnicas e adquirir conhecimento: “para o professor, que está ali na sala de aula em contato direto com os alunos, é importante ter esse olhar para o aluno com deficiência, no sentido de incluí-lo”.

A Semana de Reflexão

IMG_6929A I Semana de reflexão sobre o aluno com deficiência foi uma iniciativa do IFSULDEMINAS – Campus Poços de Caldas, com o apoio da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais do município (APAE), da Associação dos Deficientes Físicos de Poços de Caldas (ADEFIP), da Associação de Assistência aos Deficientes Visuais da cidade (AADV-PC), do Centro Municipal de Atendimento Educacional Especializado e da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL). No Campus Poços de Caldas, o evento foi organizado por uma comissão de servidores coordenada pela professora Alexandra Cruz. Para Alexandra, a Semana superou todas as expectativas: “Foi muito enriquecedora a diversidade do público, desde alunos da educação básica, ensino médio e alunos do curso superior. Foi uma maneira de estimular a importância de respeitar o próximo e, mais ainda, de admirar as superações que todos nós podemos conquistar! Acredito que essas experiências são primordiais na formação desses cidadãos que, em breve, se constituirão membros ativos da nossa sociedade. Além de proporcionar um momento de reflexão sobre a questão da inclusão, as apresentações foram um estímulo a mais para as pessoas que possuem o hábito de reclamar de coisas pequenas, foi uma forma de enxergar que a nossa dificuldade é muito menor do que as superações que podemos ter quando aprendemos a acreditar no nosso potencial e procuramos formas de nos fazer crescer! É o tipo de experiência onde temos a oportunidade de aprender mais do que ensinar, são lições de vida que nos engrandecem como pessoas e nos deixam mais amáveis uns com os outros, princípio básico para qualquer convivência em grupo, o que é fundamental no ambiente escolar”.

Assista ao vídeo com alguns momentos da Semana!

Assista à reportagem da TV Plan sobre o evento!

Veja todas as fotos da Semana em nossa página no Facebook!

Fotos: Daniel Aroni, Lucinéia Oliveira, Luana Santos e Heliese Pereira
Vídeos: Lucinéia Oliveira e Daniel Aroni
Texto: Daniel Aroni
Ascom/IFSULDEMINAS ­ Campus Poços de Caldas
www.facebook.com/ifsuldeminaspocosdecaldas
30/09/2016